Marília Campos - Deputada Estadual - Fernando Brito: “Deu zebra no golpe”


Fernando Brito: “Deu zebra no golpe”

14/06/2018 | Política

tijolaco1.jpg

Tijolaço – 12/06/2018

A esta altura, estaríamos chegando ao que 11 em cada 10 analistas políticos chamariam de "fase eliminatória" das eleições presidenciais de 2018.

Nas vésperas da Copa, deveriamos estar próximos de um afunilamento da disputa entre, no máximo, três ou quatro candidatos que, na fase final, tentariam manter ou conquistar a liderança ou, ao menos, pelejar pela classificação à "final" de um segundo turno.

Não estamos assim, porque esta edição das eleições, desde 2014, está sendo disputada sob a égide do "tapetão", aquilo que em futebol chamamos de levar para os tribunais – de resto, aqui também suspeitíssimos – o que deveria ser disputado no campo da política.

E, como o juiz do voto, Sr. Sérgio Moro, "torce" desavergonhado por um dos times, não é estranho que grande parte da "torcida" considere que estamos diante de uma "marmelada", pois se pretende eliminar o favorito absoluto do embate.

Surgiu, porém, um "probleminha".

A troca do "futebol-arte" pelo "futebol-ódio" acabou estragando as cartas do jogo em que deveriam estar marcadas e deixou o conservadorismo com um dilema: restou apenas Jair Bolsonaro como protagonista em seu campo e o seu Fascismo Futebol Clube não consegue empolgar a maioria, além de carregar, atrás de si, uma matilha de hooligans.

Ciro Gomes, que poderia cair nas graças da imensa parcela das arquibancadas frustradas, colhe as resistências daquilo que – não mais agora, mas nas rodadas passadas, criou, ao fomentar uma rivalidade com quem está vivendo o papel de vítima de armações.

Marina Silva vive das recordações do passado, quando surgiu como "revelação", para depois virar "abóbora" quando o jogo se aproxima da fase decisiva.

Geraldo Alckmin, caindo pelas tabelas, está na situação daqueles técnicos que só acumulam resultados negativos, embora ouçam declarações dos dirigentes do time tucano de que está "prestigiado".

Pela primeira vez em quase 30 anos, o PSDB está no rumo de cair para a 2ª divisão.

O resto, simplesmente, não existe e não há sinais de que possa existir.

Seria assim que estaríamos neste momento de "modo Copa", onde tudo permaneceria um mês em banho-maria, ainda mais que a seleção de Tite parece – toc, toc, toc – que não nos dará o desgosto de 2014 e produzir o interesse que hoje falta na Copa da Rússia.

Mas há algo diferente, que nem é o país estar em crise, pois não estamos propriamente desacostumados disso.

É que, desta vez, sobram sinais de que o que está ruim (e muito, como indicou o Datafolha), possa entrar em espasmos, como o que tivemos com o locaute dos transportes, ou em algo ainda pior.

Tudo, portanto, está em aberto e só uma certeza se tem: deu zebra no plano infalível do golpe tão longamente urdido.

Fernando Brito é jornalista, editor do blog Tijolaço.